Blog

Conheça os principais desafios da gestão pública no Brasil!

Escrito por:Digix 26/07/2019 7 min

A gestão pública é um entremeado de desafios. As mudanças nos poderes, as votações por mudanças na legislação e também a bipolaridade política fazem com que o processo governamental seja complexo. Aos servidores que estão alocados nas repartições, é preciso redobrar a atenção, afinal, eles lidam diretamente com a população.

A partir da reflexão sobre a realidade atual, conseguimos ter uma dimensão sobre alguns dos principais desafios da gestão pública no Brasil. Neste artigo, mostraremos quais aspectos estão em voga e o que pode ser feito nesse sentido.

Colocar os interesses públicos acima dos pessoais

Apesar de ser um problema que já deveria ter sido sanado, o atual cenário da administração pública ainda é marcado por constantes ações ilegais e antiéticas praticada por servidores de diferentes níveis hierárquicos, que colocam seus interesses pessoais ou de terceiros à frente do público. Tudo isso converge em casos de escândalos e corrupção em diferentes esferas do poder.

Há, por isso, uma dificuldade para manter os serviços à população. Afinal, quando se tem desvios, o atendimento de necessidades básicas muitas vezes não consegue ser feito de maneira eficaz. O resultado é a inadequação dos serviços prestados, principalmente naqueles essenciais, como segurança, saúde, educação e moradia.

Sem contar que os custos para o uso desses serviços que deveriam ser prestados pelo poder público acabam tendo que ser pagos pela população em forma de elevada carga tributária.

Promover uma gestão mais participativa

No Brasil, a participação na gestão pública é assunto tratado como tabu. Apesar de a Constituição Federal garantir a participação popular na administração governamental, ainda é um desafio incluir os cidadãos no processo de tomada de decisões e também na fiscalização dos problemas e mudanças que afetam diretamente a sociedade.

A formação de fóruns, conselhos e comunidades ainda esbarra em um problema que é a homogeneidade, isto é, as pessoas que compõem os grupos têm demandas próximas, o que acaba não atendendo à outra parte da população que geralmente não tem voz. Além disso, a palavra final sobre decisões que têm o poder de mudar uma situação ainda fica por incumbência dos altos poderes.

Ou seja, ainda há uma centralização do poder, o que impede uma participação mais efetiva. Além do mais, existe uma série de problemas estruturais na ordenação da sociedade, logo, uma operação interligada a outra por meio de burocracia faz com que o processo seja demorado.

Qualificar os servidores

O emprego público é muitas vezes associado à estabilidade. De fato, a característica é forte no segmento, mas isso não significa que os servidores devem parar de se qualificar. Afinal, se eles quiserem crescer, precisarão provar que se encaixam e podem desempenhar um papel de qualidade.

A eficácia e a qualidade nas entregas demandam servidores públicos comprometidos e satisfeitos, mas também capacitados. A dificuldade, hoje, é estabelecer uma política de gestão de pessoas que mantenha processos de seleção que valorizem as especialidades e sejam transparentes. Ainda vemos muitos cargos por indicação que dão o retorno esperado, gerando comodismo.

Sem contar que ainda há problemas ligados à remuneração, que costuma ser muito díspar entre certas categorias. Portanto, romper com esse ciclo é um desafio da gestão pública no Brasil, que precisa oferecer oportunidades e mais igualdade entre os seus servidores.

Atuar de maneira estratégica

Um dos principais desafios da gestão pública no Brasil é priorizar ações emergenciais. Ainda existe uma defasagem no país em relação à eficácia dos processos, muitas vezes prejudicada pela burocracia excessiva, morosidade das etapas e a própria falta de capacitação específica dos servidores para atender às demandas dos cidadãos.

Algumas repartições ainda têm problemas como a falta de ferramentas de qualidade para o desenvolvimento de um trabalho contínuo. Desse modo, o servidor precisa despender algum tempo executando as tarefas manualmente, o que, inclusive, é passível de erros. Com isso, há um desestímulo quanto à multifuncionalidade, gerando um processo simples que precisa de várias pessoas para resolvê-lo com eficácia.

Incorporar a tecnologia no setor

A tecnologia já faz parte do cotidiano de grande parte das pessoas, fazendo com que algumas já estão bastante adaptadas a ela. No entanto, ela ainda não é totalmente aproveitada no segmento público. Por exemplo, é comum vermos órgãos que atuam com as tarefas diárias manuais. Isso faz com que seja necessária a intensificação na adoção de instrumentos que sejam eficientes e permitam a otimização do trabalho.

Incorporar a tecnologia no setor ainda é um desafio, especialmente porque há uma falta de preparação para lidar com tais instrumentos, bem como uma resistência na mentalidade do próprio segmento em submeter o trabalho a um software. Muitos dos servidores ainda são funcionários de carreira, sem contar que existem diferentes departamentos internos que compõem a estrutura do poder público, logo, seria necessário criar um plano de integração e treinar todas essas pessoas para que elas pudessem incorporar a tecnologia e obter mais agilidade.

Otimizar a distribuição de recursos

Especialmente quando se trata de recursos, um dos principais desafios da gestão pública no Brasil é otimizar a divisão do capital a fim de que ele atenda a todas as esferas sociais. Fazer a divisão de maneira justa dos recursos para saúde, educação, segurança e outras áreas ainda é uma questão delicada, inclusive porque a administração pública apresenta ineficiências nesse sentido.

A ideia aqui é promover campanhas de sustentabilidade ambiental, social e econômica da administração, evitando assim os desperdícios e preservando os recursos públicos. Há também a necessidade de maior transparência administrativa, promovendo a cultura do acesso à informação, mas também um processo de gestão mais eficiente que realmente priorize um estudo sobre as demandas de cada parte do setor.

Esses são apenas alguns dos principais desafios da gestão pública no Brasil. O país ainda precisa de uma maior maturidade nos seus processos gerenciais para prover mais eficácia na sua condução, reduzindo as burocracias e entregando melhores serviços à população como um todo. Para isso, a transparência é imprescindível.

Gostou do nosso artigo? Para continuar acompanhando os conteúdos sobre administração pública e tecnologia, nos siga nas redes sociais. Estamos no Facebook, Instagram, LinkedIn e Twitter!

Navegue por tópicos

    Inscreva-se na nossa newsletter

    WhatsApp